Exportar registro bibliográfico

Reatividade humoral anticélula endotelial em transplante cardíaco humano e Doença de Chagas (1998)

  • Authors:
  • Autor USP: AITA, CARLOS ALBERTO MAYORA - ICB
  • Unidade: ICB
  • Sigla do Departamento: BMI
  • Subjects: DOENÇA DE CHAGAS; CITOMETRIA DE FLUXO; CITOTOXICIDADE IMUNOLÓGICA
  • Language: Português
  • Abstract: A rejeição do enxerto é a principal complicação do transplante cardíaco. A célula endotelial é um alvo importante no processo de rejeição. Anticorpos contra antígenos endoteliais polimórficos, têm sido implicados neste processo. Entretanto, a importância de auto-anticorpos anti-endotélio, na rejeição, é um assunto inexplorado. Na Doença de Chagas, que é responsável por 18% das indicações para transplante no Brasil. está descrita a presença de anticorpos anti-endotélio, dirigidos a epitopos 'alfa'-Gal expressos na laminina murina. Porém, como estes anticorpos apresentam natureza heterófila, a sua importância no transplante alogeneico é indefinida. Neste estudo, foi observada uma elevada reatividade humoral, em pacientes transplantados cardíacos, contra um painel de células endoteliais de cordão umbilical humano, por citometria de fluxo. Em 43% dos pacientes, esta reatividade encontrava-se presente já na amostra pré-transplante, e permanecia no pós-transplante. Os 5 pacientes chagásicos transplantados deste estudo, mostravam este perfil, sendo reativos com 100% das linhagens, na amostra pré-transplante. Esta reatividade não era compartilhada com os linfócitos CD3+ dos cordões umbilicais pareados e, portanto, não dirigida a antígenos HLA de classe I. Entretanto, não se observou associação entre a retividade anticélula endotelial e a evolução do enxerto (avaliada pelos episódios de rejeição celular no primeiro ano pós-transplante). Em pacientes chagásicos (nãotransplantados) indeterminados e cardiopatas crônicos, também foi observada esta elevada reatividade anticélula endotelial humana. A inibição da reatividade por 'alfa'- D-galactopiranosídeo, nos pacientes chagásicos, sugere o envolvimento de epítopos expressos na célula endotelial humana, emreação cruzada com epitopos 'alfa'-Gal. Porém. como a evolução dos pacientes chagásicos transplantados não foi diferente dos outros grupos, a relevância destes anticorpos, no contexto do transplante cardíaco, permanece indefinida
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 13.03.1998

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      AITA, Carlos Alberto Mayora; KALIL FILHO, Jorge Elias. Reatividade humoral anticélula endotelial em transplante cardíaco humano e Doença de Chagas. 1998.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.
    • APA

      Aita, C. A. M., & Kalil Filho, J. E. (1998). Reatividade humoral anticélula endotelial em transplante cardíaco humano e Doença de Chagas. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Aita CAM, Kalil Filho JE. Reatividade humoral anticélula endotelial em transplante cardíaco humano e Doença de Chagas. 1998 ;
    • Vancouver

      Aita CAM, Kalil Filho JE. Reatividade humoral anticélula endotelial em transplante cardíaco humano e Doença de Chagas. 1998 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021