Exportar registro bibliográfico

Estudo ecológico do bugio-ruivo em uma floresta com araucária do sul do Brasil. (Alouatta fusca, Ihering 1914 - Primates, Atelidae) (1998)

  • Authors:
  • Autor USP: PEREZ, DIEGO MIGUEL - IB
  • Unidade: IB
  • Sigla do Departamento: BIZ
  • Assunto: PRIMATAS
  • Language: Português
  • Abstract: Dentre os diversos tipos de vegetação que ocorrem ao longo da distribuição de Alouatta fusca, a floresta com araucária é uma formação florestal bastante distinta sob vários aspectos. Os objetivos deste trabalho foram: a) compreender as relações deste primata com a principal formação florestal de Santa Catarina; b) determinar a área de vida de um grupo-familiar; c) estudos de ecologia alimentar; d) história natural. O estudo foi realizado no período de fevereiro/1992 a fevereiro/1994 na Floresta Nacional de Três Barras (FLONA-IBAMA) a '26 GRAUS'12'30"S e a '50 GRAUS'17"30"W, no município de Três Barras no Planalto Nordeste Catarinense. A área de estudo compreende uma porção de Floresta com Araucária (Floresta Ombrófila Mista). Foi feito um estudo fitossociológico da área de estudo utilizando o método do quadrante centrado. As observações dos bugios-ruivos foram coletadas através de 424 amostras de varreduras instantâneas, totalizando 106 horas de contato direto com os animais ao longo de um ano, dividido nos meses do período com pinhão (abril a agosto) e nos meses do período sem pinhão (setembro a março). A área de vida foi estimada pelo método do esquadrinhamento. A amostragem total ou ad libitum também foi utilizada. A composição do grupo variou de 5 a 7 indivíduos sempre com um macho adulto e pelo menos três fêmeas. A densidade populacional para a região foi estimada em 0,64 indivíduos/ha. O grupo gastou em média ao longo do ano 59,1% do seu período diurnodescansado; 15% locomovendo-se; 19,1% alimentando-se e 6,6% em interações sociais, sendo observados picos de ocorrência destas atividades durante o dia. Utilizaram 23 espécies vegetais como fontes de alimento, sendo a dieta anual constituída de folhas = 38,2%; sementes (pinhão) = 34,1%; flores = 17,6% e outros itens = 10%. Estudos comparativos mostraram nítida relação entre as análises fitossociológicas, florísticas e fenológicas do ambiente com a ) variação da composição da dieta do grupo ao longo do ano. O ambiente foi explorado de forma heterogênea pelo grupo, utilizando 9,36 ha de um total de 17,74 ha de floresta contínua disponível (52,7% do total) como área de vida. O estrato superior da floresta formado pelas araucárias (altura de 25 a 30 m) foi o mais utilizado com 90,3% dos registros e o sub-bosque (altura de 3 a 10 m) com 9,6%. Apesar de uma mudança substancial da dieta, com a diminuição do item folhas e o predomínio da ganivoria nos meses da frutificação do pinhão, os padrões de comportamento diário se mantiveram dentro dos parâmetros para a espécie e do gênero
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 27.03.1998

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PEREZ, Diego Miguel; VIVO, Mario de. Estudo ecológico do bugio-ruivo em uma floresta com araucária do sul do Brasil. (Alouatta fusca, Ihering 1914 - Primates, Atelidae). 1998.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.
    • APA

      Perez, D. M., & Vivo, M. de. (1998). Estudo ecológico do bugio-ruivo em uma floresta com araucária do sul do Brasil. (Alouatta fusca, Ihering 1914 - Primates, Atelidae). Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Perez DM, Vivo M de. Estudo ecológico do bugio-ruivo em uma floresta com araucária do sul do Brasil. (Alouatta fusca, Ihering 1914 - Primates, Atelidae). 1998 ;
    • Vancouver

      Perez DM, Vivo M de. Estudo ecológico do bugio-ruivo em uma floresta com araucária do sul do Brasil. (Alouatta fusca, Ihering 1914 - Primates, Atelidae). 1998 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021