Exportar registro bibliográfico

Caracterização e produção de frutanos por tecidos e órgãos isolados de Gomphrena macrocephala St.-Hil. (Amaranthaceae) (1997)

  • Authors:
  • Autor USP: VIEIRA, CANDIDA CONCEIÇÃO DE JESUS - IB
  • Unidade: IB
  • Sigla do Departamento: BIB
  • Assunto: BOTÂNICA
  • Language: Português
  • Abstract: A composição dos frutanos presentes nas folhas, caules e raizes tuberosas de plantas de Gompherena macrocephala St-Hil, foi estudada numa primeira etapa deste trabalho, com o objetivo de embasar a análise subsequente destes carboidratos em diferentes tecidos da planta cultivados in vitro, bem como a indução de sua síntese em órgãos isolados dessa espécie. A análise dos carboidratos sóluveis das raízes tuberosas de G. macrocephala por cromatografia de troca aniônica de alto desempenho mostrou um perfil cromatográfico complexo, evidencindo a presença de diferentes séries homólogas de frutanos. Componentes de uma dessas séries co-eluiram com os membros da série dos flenos lineares de Dactylis glomerata, uma gramínea de regiões temperadas, sugerindo a ocorrência dessses frutanos na fração de oligossacarídeos, como já havia sido observado para a fração de fruto-polissacarídeos de G. macrocephala. Houve indicações, também, da ocorrência de fruto-oligossacarídeos redutores, sem glicose, provavelmente da série do fleano, associados às fases de intensa mobilização dos frutanos. A co-eluição com padrões conhecidos permitiu, ainda, a detecção de membros da série da inulina, tanto nas raízes tuberosas como nos órgãos aéreos. Os resultados mostraram, também, que a proporção das diferentes séries homólogas variou em função da idade das plantas, bem como da fase fenológica em que encontravam. Folhas destacadas, iluminadas e mantidas em solução aquosa contendo ou nãosacarose 150mM foram capazes de sintetizar de novo frutanos, sendo os níveis de carboidratos solúveis cerca de 23 vezes maior nas folhas incubadas com sacarose. Fruto-oligossacarídeos (traços) e polissacarídeos da série da inulina foram detectados em ambos os casos. Calos friáveis, obtidos a partir do cultivo de explantes caulinares em meio de cultura MS, contendo sacarose e 2,4-D, assim como suspensòes celulares, estabelecidas a partir dos calos friáveis, (continua) ) produziram teores baixos de frutanos, os quais foram identificados como pertecentes à série da inulina. O mesmo foi observado em folhas, caules e calos basais de brotações axilares, obtidos a partir o cultivo de segmentos nodais em meio de cultura sólido contendo sacarose, BA e ANA. Entretanto, a presença de frutanos não foi detecatada nas raízes advetícias, desenvolvidas a partir de brotações axilares cultivadas em meio de cultura contendo sacarose e AIB, ANA ou uma combinação dos dois reguladores. Brotações axilares cultivadas nas mesmas condições, porém, sem sacarose, com exceção do tratamento com AIB, não desenvolveram raízes adventícias, apesar dos sinais visíveis de indução de formação das mesmas em alguns tratamentos. Segmentos caulinares de brotações axilares foram selecionados como o material biológico mais adequado para os experimentos de indução da síntese de frutanos. A incubação desses segmentos em meio líquido sem sacarose e na ausência de luz estimulou a redução dos níveis de carboidratossolúveis totais e frutose total (40% e 50%, respectivamente), após 96 horas. Componentes da série da inulina (oligo- e polissacarídeos) foram detectados em todos os tempos analisados, apesar da redução significativa no conteúdo dos carboidratos. Segmentos caulinares previamente incubados em água na ausência de luz e transferidos para meio líquido com sacarose, sendo mantidos nas mesmas condições, apresentaram teores de carboidratos solúveis cerca de 5 vezes superiores, após 48 horas de incubação. Fruto-polissacarídeos da série da inulina predominaram em todos os tempos analisados. Em todos os tratamento não foi observada a presença de 6-cestose, nem dos membros superiores da série do fleano. A incubação de segmentos caulinares previamente mantidos na ausência de luz e transferidos para meio líquido sem sacarose, porém sob alta irradiância (5oo'mü'mol/metros quadrados/s), estimulou o aumento no (continua) ) conteúdo de carboidratos solúveis apenas no período inicial de incubação, sendo representados, principalmente, por sacarose e 1-cestose, além dos membros da série da inulina, em menor proporção. A incubação prolongada nessas condições resultou na diminuição dos carboidratos solúveis, incluindo a sacarose. Em nenhum dos tempos analisados foi detectada a presença de 6-cestose ou de componentes com grau de polimerizaçào maior da série do fleano, apesar do elevado nível endógeno de sacarose
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 04.04.1997

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      VIEIRA, Cândida Conceição de Jesus; RIBEIRO, Rita de Cássia Leone Figueiredo. Caracterização e produção de frutanos por tecidos e órgãos isolados de Gomphrena macrocephala St.-Hil. (Amaranthaceae). 1997.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.
    • APA

      Vieira, C. C. de J., & Ribeiro, R. de C. L. F. (1997). Caracterização e produção de frutanos por tecidos e órgãos isolados de Gomphrena macrocephala St.-Hil. (Amaranthaceae). Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Vieira CC de J, Ribeiro R de CLF. Caracterização e produção de frutanos por tecidos e órgãos isolados de Gomphrena macrocephala St.-Hil. (Amaranthaceae). 1997 ;
    • Vancouver

      Vieira CC de J, Ribeiro R de CLF. Caracterização e produção de frutanos por tecidos e órgãos isolados de Gomphrena macrocephala St.-Hil. (Amaranthaceae). 1997 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021