Exportar registro bibliográfico

Processos adaptativos na colonização da maçã (Malus domestica L.) por Anastrepha fraterculus (Wied.) (Diptera: Tephritidae) na região de Vacaria, RS (1997)

  • Authors:
  • Autor USP: KOVALESKI, ADALECIO - IB
  • Unidade: IB
  • Sigla do Departamento: BIO
  • Subjects: BIOLOGIA ANIMAL; MAÇÃ; MOSCA-DAS-FRUTAS
  • Language: Português
  • Abstract: A fruticultura de clima temperado, especialmente a maçã, tem uma importância significativa na economia do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Várias pragas estão estabelecidas nos pomares comerciais, entretanto a mosca-das-frutas Anastrepha fraterculus (Wied.) é considerada limitante à produção pelos danos que causa e por ser considerada quarentenária para a maioria dos países que importam maçãs do Brasil. O seu controle é baseado no uso de isca tóxica e aplicações de inseticidas fosforados que, além de elevarem os custos de produção, causam desequilíbrio favorecendo o estabelecimento de novas pragas. Um conhecimento aprofundado sobre a biologia da praga é fundamental para a implementação de novas técnias de manejo. Assim, foram desenvolvidos estudos sobre os processos envolvidos na colonização da maçã por A. fraterculus na região de Vacaria (RS), correlacionando determinates bióticos e abióticos aos padrões de flutuação populacional observados, abordando-se o levantamento de espécies em pomares comerciais e áreas de mata, as espécies de frutos nativos, a ocorrência de parasitismo, o comportamento da mosca-das-frutas durante o inverno e a dispersão das matas para os pomares. Foram assinaladas 16 espécies de Anastrepha pertencentes a oito grupos infragenéricos. Uma espécie é reportada pela primera vez no Brasil, quatro no Rio Grande do Sul e duas ainda não identificadas. Apenas duas espécies foram consideradas dominantes e A. fraterculus apresentoufreqüência superior a 80%, sendo sempre maior nos pomares do que nas áreas de mata adjacentes a eles. Entre os principais hospedeiros estudados destacam-se a cereja-do-rio grande, a guabiroba e a feijoa, que garantem a disponibilidade de frutos de novembro a maio. A feijoa foi o último hospedeiro a frutificar antes do inverno, produzindo frutos de fevereiro a maio, devendo ser o responsável pela população da primavera seguinte. Apenas A.fraterculus emergiu das coletas de frutos com exceção do maracujá silvestre que apresentou emergência de A.dissimilis Stone e A. fraterculus. O nível de parasitismo foi baixo e variou de ano para ano, nunca ultrapassando a 30%, sendo maior em frutos com pericarpo fino. Quatro espécies de braconídeos foram identificadas, alternando-se Utetes anastrephae (Viereck). Doryctobrtacon areolatus (Szépligeti) e D. brasiliensis (Szépligeti) em importância nos três principais hospedeiros. O parasitismo por Eucoilidae foi elevado em algumas espécies de hospedeiros mostrando seu potencial como alternativa no controle biológico. O uso de armadilhas McpPhail no monitoramento é central para definir o momento em que o controle deve ser iniciado, bem como para determinar os períodos de populações mais elevadas. Embora tenha havido diferenças marcantes no tamanho populacional de ano para ano, o seguinte padrão foi observado: altos níveis populacionais foram observados de novembro a janeiro, entretanto capturas emarmadilhas ocorrem durante todo o ano. Nos meses de inverno, a população foi muito baixa com ocorrência apenas nas áreas de mata, quando as fêmeas não exibiram amadurecimento ovariano devido às condições climáticas e à ausência de hospedeiros. As baixas temperaturas no outono e inverno afetaram o desenvolvimento larval e pupal retardando a emergência de adultos. Não foi possível observar diferenças marcantes entre o aumento populacional na mata e pomar, que ocorreu simultaneamente nos dois habitats
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 24.04.1997

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      KOVALESKI, Adalecio; MALAVASI, Aldo. Processos adaptativos na colonização da maçã (Malus domestica L.) por Anastrepha fraterculus (Wied.) (Diptera: Tephritidae) na região de Vacaria, RS. 1997.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.
    • APA

      Kovaleski, A., & Malavasi, A. (1997). Processos adaptativos na colonização da maçã (Malus domestica L.) por Anastrepha fraterculus (Wied.) (Diptera: Tephritidae) na região de Vacaria, RS. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Kovaleski A, Malavasi A. Processos adaptativos na colonização da maçã (Malus domestica L.) por Anastrepha fraterculus (Wied.) (Diptera: Tephritidae) na região de Vacaria, RS. 1997 ;
    • Vancouver

      Kovaleski A, Malavasi A. Processos adaptativos na colonização da maçã (Malus domestica L.) por Anastrepha fraterculus (Wied.) (Diptera: Tephritidae) na região de Vacaria, RS. 1997 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021