Exportar registro bibliográfico

Distinção morfológica e isoenzimática de Bipolaris spp. E Drechslera tritici-repentis do trigo; aspectos bioquímicos das interações e indução de resistência (1997)

  • Authors:
  • Autor USP: BACH, ERNA ELISABETH - ESALQ
  • Unidade: ESALQ
  • Sigla do Departamento: LFT
  • Subjects: FUNGOS FITOPATOGÊNICOS; HELMINTOSPORIOSE; TRIGO; RESISTÊNCIA GENÉTICA VEGETAL
  • Language: Português
  • Abstract: As doenças do trigo causadas por Bipolares bicolor, Bipolares sorokiniana e Dreschslera triticirepentis têm sido as causas mais importantes da baixa produtividade, acarretando consideráveis perdas no rendimento e redução de proteínas nos grãosutilizados para produção de farinhas. O objetivo do presente trabalho foi diferenciar os isolados com base na morfologia e bioquímica, estudar os sintomas e analisar as alterações bioquímicas nas diferentes interações planta-patógeno, bem como aindução de resistência como método alternativo de controle das mesmas. Morfologicamente os conídios dos isolados de D. tritici-repentis apresentaram-se significativamente maiores, em comprimento, do que os isolados de B. sorokiniana. Por suavez, os isolados de B. bicolor apresentaram conídios mais largos do que os de D. tritici-repentis e Bipolaris sorokiniana. Análises eletroforéticas envolvendo esterases permitiram diferenciar os isolados de Drechslera sp. dos de Bipolaris sp.Testes de patogenicidade em casa-de-vegetação demonstraram que o cultivar BH-1146 foi suscetível a todos os patógenos, na concentração de 10"elevado a pot.5"conídios/mL e resistente na na concentração de 10³conídios/mL. O cultivar IAC-24 foisuscetível a todos os patógenos, em ambas as concentrações, e para os isolados de B. bicolor, um patógeno de raiz, foram observadas manchas foliares. Em plantas de trigo, a expressão da suscetibilidade pode ser alterada após o tratamento comindutores, antes dainoculação com o patógeno. Assim, plantas de trigo tratadas com conídios inativados pelo calor ou goma xantana, 48 e 72 horas antes da aplicação do patógeno, exibiram resistência induzida sistêmica. O tratamento não afetou agerminação e nem a formação de apressórios pelos conídios, sugerindo assim uma inibição após o processo de penetração. Sob condições de casa-de-vegetação foi obtido mais de 90% de proteção. As atividades da peroxidase, polifenoloxidase,"continua" "continuação" beta-1,3-glucanase e a concentração de proteínas e teor de fenóis foram analisados e quantificados nos extratos foliares de plantas de trigo inoculadas com todos os isolados fúngicos. A atividade da peroxidase e a quantidade defenóis nos extratos de plantas infectadas do cultivar suscetível, foram maiores do que das plantas sadias. Em relação a atividade de polifenoloxidase, beta-1,3-glucanase e concentração de proteínas, os valores foram menores do que os encontradosnas plantas sadias. Foram observadas também alterações metabólicas em plantas suscetíveis após a indução de resistência. Em relação as isoenzimas de esterase, atividades de beta-1,3-glucanase e polifenoloxidase e a concentração de proteínasestas tiveram aumento em relação as plantas sadias e infectadas. Os fenóis nas plantas tratadas tiveram redução em sua concentração. Essas alterações metabólicas induzidas nas plantas suscetíveis foram equivalentes as observadas nas plantasresistentes. Finalmente os resultados sugeremque a resitência é devida a um grupo de substâncias e enzimas envolvidas na defesa da planta
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 20.03.1997
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BACH, Erna Elisabeth; KIMATI, Hiroshi. Distinção morfológica e isoenzimática de Bipolaris spp. E Drechslera tritici-repentis do trigo; aspectos bioquímicos das interações e indução de resistência. 1997.Universidade de São Paulo, Piracicaba, 1997. Disponível em: < https://teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11135/tde-20191220-112718/ >.
    • APA

      Bach, E. E., & Kimati, H. (1997). Distinção morfológica e isoenzimática de Bipolaris spp. E Drechslera tritici-repentis do trigo; aspectos bioquímicos das interações e indução de resistência. Universidade de São Paulo, Piracicaba. Recuperado de https://teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11135/tde-20191220-112718/
    • NLM

      Bach EE, Kimati H. Distinção morfológica e isoenzimática de Bipolaris spp. E Drechslera tritici-repentis do trigo; aspectos bioquímicos das interações e indução de resistência [Internet]. 1997 ;Available from: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11135/tde-20191220-112718/
    • Vancouver

      Bach EE, Kimati H. Distinção morfológica e isoenzimática de Bipolaris spp. E Drechslera tritici-repentis do trigo; aspectos bioquímicos das interações e indução de resistência [Internet]. 1997 ;Available from: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11135/tde-20191220-112718/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021