Exportar registro bibliográfico

Bioestratigrafia dos tentaculitóidea no flanco oriental da bacia do Paraná e sua ocorrência na América do Sul (ordoviciano-devoniano) (1989)

  • Authors:
  • Autor USP: CIGUEL, JOSE HENRIQUE GODOY - IGC
  • Unidade: IGC
  • Sigla do Departamento: GPE
  • Assunto: BIOESTRATIGRAFIA
  • Language: Português
  • Abstract: A microestrutura esqueletal foliada ocorrente na concha dos tentaculitóides, além de aspectos relacionados à filogenia, permitem aventar a hipótese de que o grupo possui um ancestral comum com os cafalópodos, durante o Cambriano Superior. Já, a partir do Ordoviciano exibem uma evolução paralela, porém com convergência adaptativa com os representantes da Classe Cephalopoda. Os tentaculitóideos ocorrem na América do Sul, do Ordoviciano ao Devoniano. No entanto, o grupo não tem sido utilizado com fins bioestratigráficos, a exemplo de várias bacias de outros continemtes. O estudo dos tentaculitóides provenientes da argentina (Formações Trapiche, Mogotes Negros, Los Espejos e Salar Del Rincón), Bolívia (Formações Pizarras Cordillera Real, Catavi e Icla), Brasil (Formações Trombetas e Ponta Grossa), Paraguai (Formações Vargas Pena e Carlay), Peru (Formação Excelsior) e Uruguai (Formações Cordobés e La Paloma), demonstraram diversidade em nível genérico. Entre os gêneros registrados pela primeira vez na América do Sul, tem-se: Uniconus (2 espécies; 1 nova e 1 redefinida), Multiconus (1 espécie nova), Heteroctenus (2 espécies novas), Turmalites (1 espécie nova), Nowakia (1 espécie nova), Paranowakia (2 espécies novas), Variella (1 espécie nova), Homoctenus (9 espécies novas), Seretites (3 espécies novas e 1 redefinida), Dmitriella (2 espécies novas). A presença de Styliolina (2 espécies novas) era duvidosamente referida como ocorrente e Tentaculites (20 espécies novas, 2 semantêm), que possuíam o registro comprovado no continente. A potencialidade na utilização dos tentaculitóideos como guias bioestratigráficos ficou melhor evidenciada no flanco oriental da Bacia do Paraná (Formação Ponta Grossa), onde os estudos se desenvolveram com minucioso controle de campo e laboratório. Para essa região foram estabelecidas Cenozonas, Zonas de Amplitude concorrente e Zonas de Apogeu a partir de 31 secções colunares descritas, ) entre as quais, 19 são utilizadas no presente trabalho. As Cenozonas são denominadas pelos algarismos 1, 2, 3 e 4. As Zonas de Amplitude Concorrente são: U. crotalinus e T. gorceixensis; T. clarkensis, H. barbosensis e H. carvalhensis; e T. brannerensis e S. Jaculus. As Zonas de Apogeu; U. crotalinus e S. jaculus. Esta proposta de bio e cronoestratigrafia para a faixa aflorante da Formação Ponta Grossa no Estado do paraná, corrobora em parte com a bioestratigrafia da unidade baseada em polimorfos. a idade da formação, conforme a distrbuição dos tentaculitóideos, situar-se-ia entre Zlichoviano e o Frasniano. Em termos paleoclimático os tentaculitóideos sugerem a existência de águas mais frias no flanco oriental em relação ao setentrional. Paleogeograficamente atestam a distribuição mundial dos mares devonianos que ultrapassou os limites da Província Malvinocáfrica, concontaminente a amplairradiação adaptativa do grupo. Biogeograficamente, nesta província, tem-se a presença de gêneros ocorrentes em outras regiões.As espécies têm registro regional e provavelmente evoluíram por diferenciação ou por diversificação. A presença dos icnofósseis e assembléias fossilíferas sugere um ambiente deposicional para a formação, como situado entre a região litorânea e o sublitoral externo. A profundidade máxima dificilmente excederia 90 metros. Mas< as icnofácies, fauna e estruturas deposicionais sugerem o predomínio do ambiente sublitoral interno, com a lâmina d'água situando-se entre 40 e 60 metros de profundidade. Os fósseis exibem uma mescla de elelentos faunísticos e limites difusos, dificultando sobremaneira o estabelecimento de comunidades estanques. Apenas os lingulídeos mostram indícios de comunidade, a qual, deve ser precedida pela identificação das tanatocenoses e tafocenoses, mesmo assim, possuem amplas recorrências. A partir da distribuição cronológica dos fósseis coniformes, faz-se proposta ) preliminar da amplitude dos tentaculitóideos, para os seis países sul-americanos mencionados
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 29.05.1989
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CIGUEL, Jose Henrique Godoy; RÖSLER, Oscar. Bioestratigrafia dos tentaculitóidea no flanco oriental da bacia do Paraná e sua ocorrência na América do Sul (ordoviciano-devoniano). 1989.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1989. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44136/tde-25082015-104854/pt-br.php >.
    • APA

      Ciguel, J. H. G., & Rösler, O. (1989). Bioestratigrafia dos tentaculitóidea no flanco oriental da bacia do Paraná e sua ocorrência na América do Sul (ordoviciano-devoniano). Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44136/tde-25082015-104854/pt-br.php
    • NLM

      Ciguel JHG, Rösler O. Bioestratigrafia dos tentaculitóidea no flanco oriental da bacia do Paraná e sua ocorrência na América do Sul (ordoviciano-devoniano) [Internet]. 1989 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44136/tde-25082015-104854/pt-br.php
    • Vancouver

      Ciguel JHG, Rösler O. Bioestratigrafia dos tentaculitóidea no flanco oriental da bacia do Paraná e sua ocorrência na América do Sul (ordoviciano-devoniano) [Internet]. 1989 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44136/tde-25082015-104854/pt-br.php

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021