Exportar registro bibliográfico


Metrics:

Aspectos epidemiológicos do consumo de medicamentos psicotrópicos pela população de adultos do distrito de São Paulo (1979)

  • Authors:
  • Autor USP: TANCREDI, FRANCISCO BERNARDINI - FSP
  • Unidade: FSP
  • Sigla do Departamento: HSP
  • DOI: 10.11606/D.6.2017.tde-10032017-162118
  • Subjects: FÁRMACOS PSICOTRÓPICOS; HÁBITOS DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS; PSICOFARMACOLOGIA; PESQUISA; EPIDEMIOLOGIA
  • Keywords: Consumo de Medicamentos; Medicamentos Psicotrópicos
  • Language: Português
  • Abstract: O autor faz uma análise crítica do consumo de medicamentos psicotrópicos e apresenta os resultados de um inquérito epidemiológico realizado no Distrito de São Paulo com vistas a determinar os níveis de prevalência e incidência do consumo destes medicamentos, os padrões de consumo, os tipos de medicamentos mais frequentemente utilizados e a associação do uso de psicotrópicos a algumas variáveis sócio-demográficas. Inicialmente discute os aspectos psico-sociais da ansiedade chamando a atenção para o risco da utilização de ansiolíticos, hipnóticos e sedativos para o alívio da ansiedade objetiva, a qual representa uma resposta de defesa do indivíduo frente ao seu meio ambiente; defende a idéia de que esta forma de ansiedade é útil e necessária ao Homem e que a utilização indiscriminada de medicamentos psicotrópicos para o seu alívio representa um prejuízo para o desenvolvimento emocional individual e para a progressão teleológica da sociedade. Discute aspectos do mercado destes medicamentos apontando os papéis desempenhados pelos principais envolvidos em uma complexa relação de interesses: a indústria farmacêutica, a classe médica, os pacientes e os proprietários de farmácias. Em relação ao mercado brasileiro, discute o importante segmento ocupado pelos produtos classificados como "antidistônicos" que, a seu ver, representam uma forma disfarçada de colocação no mercado de produtos psicotrópicos cuja venda escapa aos rigores da legislação que regula a prescrição e aquisição de medicamentos contendo substâncias psicotrópicas. O inquérito epidemiológico realizado em 1976-1978 indica que entre 3690 indivíduos de 16 ou mais anos de idade pertencentes a 1345 famílias a prevalência de consumo no último ano foi de 122,2/1000 habitantes (75,7/1000 para o sexo masculino e 163,2/1000 para o sexo feminino).A incidência de novos consumidores nos últimos 30 dias foi 7,6/1000 habitantes (5,8/1000 para o sexo masculino e 9,2/1000 para o sexo feminino). Observou-se uma tendência ao crescimento dos níveis de consumo com a idade e valores de prevalência de consumo sempre maiores entre as mulheres do que entre os homens (produto cruzado igual a 2,38). A idade média dos consumidores de psicotrópicos é 5,13 anos superior a dos não consumidores. A prevalência de consumo nas áreas geográficas de melhor qualidade de vida é 62 por cento superior àquela das áreas de menor qualidade de vida. Foram observados três padrões característicos de consumo: o uso regular (56,1 por cento dos consumidores), o uso esporádico (38,1 por cento dos consumidores) e o uso episódico (4,4 por cento dos consumidores). Os consumidores esporádicos tendem a ser mais constantes no seu comportamento do que os consumidores regulares e episódicos. Os medicamentos ansiolíticos, hipnóticos e sedativos são os mais frequentemente usados (86,5 por cento cos casos) e, pelo menos, 62,6 por cento deles podem ser adquiridos sem a apresentação de receita médica. Somente os derivados da benzodiazepina (ansiolíticos e hipnóticos) representam' 72,8 por cento de todos os produtos consumidos. Em 81,6 por cento dos casos o uso se deu por indicação médica, em 2,7 por cento dos casos a indicação foi do "farmacêutico", em 4,4 por cento dos casos a indicação foi de um parente ou conhecido e em 10,2 por cento dos casos foi o próprio usuário que decidiu a indicação. Dentre os médicos, são os clínicos gerais os que mais prescrevem psicotrópicos (57,4 por cento do total) e eles têm clara preferência pelos produtos livres de controle de receituário. Há indícios de que possa haver maiores níveis de consumo entre mulheres com vínculo matrimonial rompido (viúvas, separadas e desquitadas) na faixa etária de 30 a 50 anos.Outrossim, foram observados maiores níveis de consumo em pessoas com menor grau de instrução. Não foi encontrada qualquer relação entre consumo de medicamentos e as condições de habitação (medidas pelo índice de aglomeração).
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 27.12.1979
  • Acesso à fonteDOI
    Informações sobre o DOI: 10.11606/D.6.2017.tde-10032017-162118 (Fonte: oaDOI API)
    • Este periódico é de acesso aberto
    • Este artigo é de acesso aberto
    • URL de acesso aberto
    • Cor do Acesso Aberto: gold
    • Licença: cc-by-nc-sa

    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      TANCREDI, Francisco Bernardini; SPINOLA, Aracy Witt de Pinho. Aspectos epidemiológicos do consumo de medicamentos psicotrópicos pela população de adultos do distrito de São Paulo. 1979.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1979. Disponível em: < https://teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6135/tde-10032017-162118/pt-br.php > DOI: 10.11606/D.6.2017.tde-10032017-162118.
    • APA

      Tancredi, F. B., & Spinola, A. W. de P. (1979). Aspectos epidemiológicos do consumo de medicamentos psicotrópicos pela população de adultos do distrito de São Paulo. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de https://teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6135/tde-10032017-162118/pt-br.php
    • NLM

      Tancredi FB, Spinola AW de P. Aspectos epidemiológicos do consumo de medicamentos psicotrópicos pela população de adultos do distrito de São Paulo [Internet]. 1979 ;Available from: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6135/tde-10032017-162118/pt-br.php
    • Vancouver

      Tancredi FB, Spinola AW de P. Aspectos epidemiológicos do consumo de medicamentos psicotrópicos pela população de adultos do distrito de São Paulo [Internet]. 1979 ;Available from: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6135/tde-10032017-162118/pt-br.php


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021