Exportar registro bibliográfico

Estudo sobre o mecanismo de fratura por fadiga em ferros fundidos nodulares ferrítico-perlíticos (1983)

  • Authors:
  • Autor USP: KOHL, RUBENS - EP
  • Unidade: EP
  • Sigla do Departamento: PMT
  • Subjects: MECÂNICA DA FRATURA; FADIGA DOS MATERIAIS; FERRO FUNDIDO NODULAR
  • Language: Português
  • Abstract: É apresentado um estudo sobre o mecanismo de fratura por fadiga em ferros fundidos nodulares ferríticos e/ou perlíticos, com o objetivo de esclarecer alguns aspectos básicos do processo de formação de trincas de fadiga nestes materiais, verificando principalmente o efeito de microestruturas nas etapas de nucleação e crescimento de microfissuras. Na revisão bibliográfica faz-se inicialmente uma análise geral dos principais estágios do processo de ruptura por fadiga em materiais metálicos. Numa segunda parte, examinam-se os resultados existentes na literatura para os ferros fundidos nodulares, focalizando-se em especial o efeito da microestrutura nas diversas etapas do processo de fratura. No desenvolvimento experimental procurou-se verificar microscopicamente o andamento do processo de fratura nas diversas microestruturas, bem como caracterizar qualitativamente a importância de cada uma das etapas no tempo de vida destes materiais. Verificou-se que o local preferencial para a nucleação de fissuras de fadiga em ferros fundidos nodulares ferríticos e/ou perlíticos é na interface grafita-matriz metálica. Nos materiais perlíticos ocorre, todavia, a formação de trincas também em regiões de perlita. Além disso, constatou-se que microporosidades devidas à contração na solidificação (“microrechupes”), da ordem de até 50 µm, contribuíram para a etapa de nucleação de fissuras apenas nos materiais ferríticos ou perlíticos. Foi observado também que para o nível de carregamento estudado, que originava a ruptura após 10³ a 10⁵ ciclos, a etapa de nucleação ocupou apenas uma pequena parcela do processo de fratura, da ordem de 5 a 15% do tempo de vida. O estágio de crescimento das microfissuras foi a etapa que consumiu a maior parte do tempo de vida, da ordem de 70 a 90%. Com relação ao efeito da presença deperlita nestes materiais, verificou-se que o aumento de quantidade destes microconstituinte promove uma maior dificuldade na nucleação e no estágio de crescimento das microfissuras. Finalmente, observações da superfície de fratura mostraram que a propagação de trincas de fadiga nestes materiais ocorre de uma forma mais complexa que em aços com matrizes metálicas similares, gerando aspectos típicos.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 21.12.1983

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      KÜHL, Rubens; VIEIRA, Renato Rocha. Estudo sobre o mecanismo de fratura por fadiga em ferros fundidos nodulares ferrítico-perlíticos. 1983.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1983.
    • APA

      Kühl, R., & Vieira, R. R. (1983). Estudo sobre o mecanismo de fratura por fadiga em ferros fundidos nodulares ferrítico-perlíticos. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Kühl R, Vieira RR. Estudo sobre o mecanismo de fratura por fadiga em ferros fundidos nodulares ferrítico-perlíticos. 1983 ;
    • Vancouver

      Kühl R, Vieira RR. Estudo sobre o mecanismo de fratura por fadiga em ferros fundidos nodulares ferrítico-perlíticos. 1983 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021